On The Nanquim: Três Sombras

Três Sombras

Imagine um casal vivendo em âmbito rural, num lugar isolado, longe de qualquer sinal de urbanização, e criando um jovem por costumes tradicionais.  Essa é a vida simples de Joachim, e seus pais Louis e Lice.

No entanto, com o engrossar do nevoeiro chegam três visitantes inesperados, três sombras, silhuetas de “coisas” que vem trazendo o mal presságio. Ou assim diz a velha Pique, dita por uns como louca e por outros como sabia.

02_Trois-Ombres.TIF

 

Não se sabe ao certo o que são, mas e dito a que vieram. Estão atrás de Joachim, um jovem que aparenta ter no máximo 10 anos. Vendo sua família e cria ameaçados, Louis decide partir com a criança em busca de um local seguro.

Nisso, ambos embarcam em uma jornada mística e traiçoeira, que ganha vida por meio de ilustrações fantásticas e nos faz pensar, de forma leve porem firme, em questões que tanto tentamos evitar.

3sombras2

 

Falo de vida e morte. Sim, vida, pois não devemos falar do fim de uma era sem examinar o enredo. Em Três Sombras nos e passada a mensagem de que devemos aproveitar o máximo nosso tempo com os entes queridos, ao invés de gastar o mesmo perseguindo objetivos impossíveis.

E nada mais impossível do que lutar contra o destino, fugindo da morte em si. Esse e o papel de Louis nessa história. Mostrar como um pai, nutrido por uma esperança sem fim, faria de tudo para proteger seu amado filho.

3sombras3

 

Acredito que as sombras, ditos presságios, foram inspiradas de certa forma da Divina Comédia, onde as almas dos condenados eram representadas como tal e apontavam para os dizeres “abandone a esperança, vós todos os que aqui entram”.

Bem, termino dizendo que esta foi uma das leituras mais agradáveis que tive este ano, e sem dúvida alguma recomendo o mesmo a todos. O francês Cyril Pedrosa se mostrou um monstro, tanto na escrita como na arte. Pretendo buscar novas obras do mesmo no futuro.

Três Sombras.jpg

Anúncios

Sobre Zigfrid

Administrador e redator do blog Mangatom. Viciado em games, amante incondicional de quadrinhos e cinéfilo enrustido.

Publicado em 08/12/2014, em On the Nanquim e marcado como , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: