Resenha: Planetes #DiaDaToalha #OrgulhoNerd

planetes

Dia 25 de Maio. Um dia para se ter orgulho de ser nerd, celebrar grandes nomes do cinema, da literatura e do desenvolvimento de jogos. Sim, nesse dia tão especial venho até vocês amantes de mangas, e sobre tudo da cultura pop, pedir que peguem suas toalhas pois estaremos embarcando numa viagem espacial em busca do sentido da vida, porem sobe a visão de Makoto Yukimura.

Em 1999 ele estreou na revista Morning, da Kodansha, com uma obra que iria definir para sempre sua carreira. Falo de Planetes, um sci-fi focado num futuro próximo onde a humanidade alcançou o clímax da era espacial e agora sonha com viagens tripuladas de longa distância.

Ainda não existe terraformação, mas os avanços foram tantos que colonizamos a lua, colocamos diversas estações ao redor do globo e nunca foi tão grande o trafego de veículos aeroespaciais, sejam em viagens de ida e volta a terra ou navegando pela escuridão do espaço.

038

Esse investimento monstruoso foi algo necessário devido à escassez de recursos presentes na terra e o constante aumento da poluição. Chegamos em um momento da história que a exploração da via láctea se tornou algo fundamental para a sobrevivência dos seres humanos.

Mas já pararam para pensar no que acarretaria uma migração tão grande? Nosso passado nos condena, pois a cada novo passo que damos nossa civilização deixa marcas irreparáveis na natureza. Agora a preocupação não é apenas com o aquecimento global, mas também com a síndrome de Kessler.

Colocando de maneira simples, quando um objeto é destruído, ou lançado sem rumo no espaço, ele passa a ser denominado como escombro. Um desses escombros, por menor que seja, pode causar danos irreparáveis a outros objetos, assim gerando mais escombros.

030

Agora imagine que isso continue ocorrendo, repetidamente, como um efeito domino. Logo teremos uma nuvem de escombros, dos mais diversos tamanhos, que se move e se multiplica rapidamente. Algo similar ao mostrado no excelente filme Gravidade.

Porém, no futuro mostrado em Planetes o número de objetos presentes no espaço é mais que o triplo do atual, o que geraria um efeito em cadeia monstruoso, assim impedindo por completo o fluxo de naves. Basicamente seriamos envolvidos por uma gigantesca bola de escombros.

Encarregados de impedir que isso ocorra, de maneira quase ínfima, está a tripulação da Toy Box, formada por Hachimaki, Yuri e Fee. Esses 3 carismáticos astronautas trabalham no serviço de recolhimento de escombros, isso é, quando não estão brigando entre si.

015

O enredo é episódico e cada um dos capítulos retrata um personagem diferente. O Russo Yuri é o eterno apaixonado, sempre em busca de algo que compense a perda de sua mulher. Ele também age como o adulto do grupo e apesar de calado sempre aparece no momento certo de dar um conselho.

A corajosa e experiente americana Fee, além de ser líder do grupo, nos coloca próximos dos perigos da guerra e do terrorismos, além de fazer o papel de rebelde ao mesmo tempo que lida com a distância da família e levanta questões sobre o racismo.

Concorrendo a vaga de personagem principal, por maior tempo de exposição, se encontra o japonês Hachimaki. Esse jovem sonhador busca preencher algo que não entende com a beleza e o vazio do cosmos, sempre se questionando se deveria realmente estar ali. Basicamente, filosofando sobre o sentido da vida.

034 (3)

Inicialmente o foco era mostrar o ambiente hostil proporcionado pela falta de gravidade e diversos outros fatores. Des de atrofiamento muscular até mumificação e doenças mentais. Então entramos numa fase mais voltada ao cotidiano e ao terrorismos espacial.

Em meio a isso surge uma nova personagem, a inocente Tanabe. Uma garota que está no espaço apenas para delinear qual o seu limite. Por ser guiada pela convicção que o amor rege os seres humanos acaba entrando em conflito constante com Hachimaki.

Seguindo com a história entramos no arco final, onde o foco muda por completo para Fee, assim apresentando um encerramento à primeira vista bonito, regido por What a Wonderful World. O ponto final se dá por um comovente discurso de descoberta, tanto cientifica quanto pessoal.

033 (4)

Para muitos isso será um grande ponto negativo. Primeiramente, Hachimaki deixa a cena. Os outros personagens mal aparecem e o desenvolver se torna corrido, como se o autor estivesse tentando acabar a obra antes de um prazo final, talvez de cancelamento.

Por outro lado ele pode ter ficado sem ideias ou entediado com sua própria criação. O importante é que acaba com um final fechado, não é? Bem, depende do ponto de vista. Faltou um reencontro entre os personagens. Tudo isso fica como off-screen, já que existe uma promessa para tal.

Mas seria esse realmente o caso?

027 (2)

Nos parágrafos seguintes vou entrar mais a fundo no enredo e para isso vou precisar citar fatos importantes, os ditos spoilers. Logo, para não estragar seu entretenimento, sugiro que retome a leitura desse texto apenas quando tiver finalizado o manga.

Como disse anteriormente, que final bonito. Durante boa parte do manga Hachimaki tem visões de que sua vida está para acabar e que o fim será no espaço. Tanabe, sua esposa, também teve sinais disso e constantemente a existência de um deus piedoso é negada pelo autor.

Até ai ok. Ficam sendo apenas momentos que nos induzem a pensar que vai ocorrer uma tragédia. Espera, mas não foi isso que aconteceu? Enquanto a Von Braun estava a caminho de Júpiter uma guerra se iniciou no espaço, devido a uma bomba que matou tripulantes americanos.

Todos os astronautas evacuaram para a terra, pois a destruição causada concretizou a síndrome de Kessler, assim impedindo tanto a ida para o espaço como a volta para a terra. Agora pense o seguinte. A guerra acaba, o planeta e cercado por escombros e toca Louis Armstrong enquanto Hachimaki e cia estão em outro planeta e possuem recursos limitados.

Sim, eles morreram. Foi uma vitória para a ciência, um momento histórico, mas sem retorno. Eles foram Guskou Budori. Ao menos, essa e minha visão sobre o encerramento. What a Wonderful World.

Anúncios

Sobre Zigfrid

Administrador e redator do blog Mangatom. Viciado em games, amante incondicional de quadrinhos e cinéfilo enrustido.

Publicado em 25/05/2015, em Resenha e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 5 Comentários.

  1. Faz muito tempo que to querendo ler esse mangá, e nunca sobrou tempo. Obrigada por me lembrar ^^

    Curtir

  1. Pingback: Primeiras Impressões: The Disciples | Mangatom

  2. Pingback: Poste Especial: Melhores de 2015! | Mangatom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: