Picnik e Quadrinhos

picnik

Quem olha esse título no mínimo fica curioso, ainda mais se não for de Brasília é entorno, e logo começa a imaginar coisas como uma toalha estirada na grama, uma cesta de guloseimas e uma pilha de HQs para passar o dia na natureza sem deixar de lado o hobby.

Algo que sem dúvida é atrativo, e que um dia tenho de me pôr a experimentar, mas passa longe do real tema deste texto. Existe sim um amplo local aberto, e se quiser pode levar comida e se aconchegar na grama, apesar de ser preferível conhecer os diversos food trucks do evento e com certeza você não terá paz e sossego para ler ao som da música que contagia o festival.

Picnik é um evento itinerante que ocorre com frequência nas ruas e parques do DF, sempre levando ao público jovem um ar de aconchego com os já mencionados shows ao ar livre, estandes de palestras, arte e livros, roupas e bijus. Um pouco hipster, hippie, retro, mas sem dúvida moderno.

aqui_tem_diversao_picnik

Este ano ele ocorreu na Praça dos Cristais, um ponto turístico belíssimo localizado a frente QG militar, que leva este nome devido a diversas esculturas localizadas no centro de um espelho d’água e cercadas por calçadas serpenteantes, grama rala e um jardim único, diferente de tudo que já vi.

É para nos saudar no começo dessa jornada, veículos de guerra, algo apropriado pela localidade, mas ao mesmo tempo irônico, que eventualmente tiveram sua atenção retirada pelos carros da Coca-Cola que anualmente desfilam pelo Eixo e que se encontravam parados num estacionamento próximo, ecoando aquele típico e nostálgico jingle.

Sim, estamos a véspera de comemorar mais um Natal, e para tal fiz uma parada antes de me dirigir ao evento, e não vejo por que não compartilhar aqui, fazendo você leitor conhecer um pouco mais de minha cidade. Falo da Feira da Torre, e sua relativamente recente mudança, agora mais atrativa e fácil de se locomover.

feirat3

Fiz lá algumas compras para um amigo oculto, mas isso não interessa, e sim o delicioso acarajé da Barraca da Mainha, um ponto imperdível para você que visita à cidade, acredite, pois é um dos melhores lanches de rua de Brasília.

acaraje3

É enquanto saboreava minha refeição, uma surpresa agradável, uma ex-moradora de rua. Algo que deixa muitos incomodados, pelo simples pronunciar deste fato, apesar dela estar de colete, crachá e vendendo exemplares da Revista Traços. Um projeto criado através da lei de incentivo da cultura para diminuir o número de pessoas morando ao relento. Algo que também marcou presença no Picnik, e por tal que fiz questão de puxar o gancho.

A leitura é uma das muitas coisas incentivadas através do evento, e isso obviamente inclui os quadrinistas, e foi muito bom ver a recepção que estes receberam do público. Me parece que atualmente, talvez pela popularização de filmes de heróis ou mescla cada vez maior de nossa cultura com a japonesa, finalmente as pessoas estão fugindo da “norma” e encarando HQs como algo que não se destina apenas a crianças e abraçando a paixão pelas palavras.

Minha primeira parada na Ala Jupiter, destinada a quadrinhos e fanzines, foi com meu parceiro Max Andrade na promessa de comprar The Hype e os volumes restantes de Tools Challenge, os quais não tive como obter na CCXP. Conversamos lá também sobre sua mais recente conquista, outra premiação na SMA, a qual deixa ele mais perto de realizar o sonho de publicar no Japão. Força MAX!

kaiju

Leia Wanna Be the Legend!! aqui.

Na sequência conheci a simpática Verônica Saiki, criadora de Verdugo o Inacreditável, uma serie de tiras sobre um artista plástico literalmente inacreditável e vi em primeira mão sua paixão pelo trabalho. Não aguentei e tive de adquirir o quadrinho de mesmo nome, que conta com histórias mais longas.

Seu traço simpático, de profundidade criada por um belo sombreamento, também da vida a diversos produtos criados a partir de seus personagens, além de outros dois quadrinhos presentes no estande. Grandes Enfermeiras, que conta a história de Florence Nightingale e Anna Nery e é escrita por Onã Silva, e Boa Noite, Maria!, um conto infantil sem falas, contando apenas com páginas duplas, um único cenário e uma personagem imaginativa.

capa-verdugo-o-inacreditavel-procurados

Depois, logo ao lado, conversamos com Daniel Chuis, diretor de criação da Monstrengo e um dos responsáveis, junto de Raimundo Lima e Filipe Rizzo, pelo projeto Brazilla, uma coletânea de quadrinhos roteirizada por diversos nomes do cinema de Brasília e que conta com um conteúdo mais maduro e que me deixou salivando pela aquisição.

Destaque para nomes como Rene Sampaio (Faroeste Caboclo), Bruna Spinola (Morde e Assopra) e Marcus Ligocki (O Último Cine Drive-in). Lembrando que não se pode subestimar nenhum dos outros envolvidos, e que se for atrás do HQ que seja para conhecer um pouco mais do cenário artístico da cidade.

capa-brazilla

Desviando um pouco demos de cara com Leonardo Maciel e Wesley Samp, talvez os nomes mais conhecidos do evento. Maciel vocês deve reconhecer como o ilustrador de Êxodo, versão em quadrinho seriada da tira Um Sábado Qualquer, de Carlos Ruas, e que também levou ao festival Doido, um HQ cômico satirizando desenhos antigos como He-Man e Caverna do Dragão.

32377f_e8f1a40365f74ce7b5b62c110ddfad02

Já Wesley é responsável por diversas tiras publicadas no Deposito do Wes, e coletadas em obras como Filosofias de Recreio, Deposito do Wes – O Livro e mais recentemente Cada Um Com Seus Problemas!, além de colaborar com a icônica revista Mad.

wes

Infelizmente tivemos um probleminha com o trafego, dificultando nossa passagem, que se tornou um problemão, nos empurrando para outro estande, da Revista Aerolito, onde conhecemos Lucas Marques, o qual nos explicou mais sobre a publicação, a qual abriga uma coletânea fantástica de quadrinistas, incluindo o próprio Lucas, Bruno Prosaiko e Cauê Brandão, e se dedica a temas que variam do terror a causas sociais.

aerolito

Nesse momento tivemos de dar uma pausa para um refresco na Viver Zen devido ao calor proporcionado pelas ilustrações Do Inferno e depois retornamos para conferir a segunda fileira de artistas, a qual por sorte estava sem o fluxo absurdo de momentos atrás. Nossa primeira parada? A Editora Nautilus.

Lá conhecemos Miqueli Lucas, autora dos livros Claustrofobia, uma jornada de auto descobrimento, e Autobiografia Ficcional, um experimento literário que visa imersão por meio de QR Codes, para assim trazer ao papel uma experiência única, antes so possível em meio digital. Apenas imagine estar lendo, fotografar um código e ver uma pintura ou escutar uma música que completam o texto.

Junto dela estava Luiz Reis, editor da Nautilus, o qual nos explicou as demais publicações, com destaque a Revista Bacanal, uma coletânea de contos e poesias, sem tema aparente, e com belas ilustrações. Por fim, recebi convite para enviar meus trabalhos, e quem sabe sair numa próxima publicação.

capabacanal-450x600

Essa que é uma das melhores partes de um evento desse tipo, conhecer pessoas, expor seus trabalhos, e nesse ponto logico que não poderiam faltar as zines, HQs finas independentes e de pouca tiragem, muitas vezes apresentando o primeiro trabalho de um autor ou servindo de teste para uma nova ideia.

É assim foi a mesa do Pirata Perna Curta, um grupo de camaradas que publica tiras ásperas de humor em lugares simples, como Blogspot, Facebook e nas páginas do Correio Brasiliense, apenas o maior jornal da cidade é sem dúvida um dos melhores do país. Recomendo fortemente darem uma olhada no trabalho dos caras, sobe o risco de perder horas clicando em “ver postagens mais antigas”.

15555666_1487894601238747_2025975134_n

Quem também marcou presença ao lado dos bucaneiros de zines foi o Sindicato, o qual levou para o evento o Jornal Pimba, primeira impressão destinada exclusivamente a quadrinhos e que também conta com uma figura icônica do Correio, o ilustrador Caio Gomez. Um projeto sem dúvida interessante que recomendo acompanharem.

jornalpimba_01_capa1-6437a95eb8baed5f7d1a7f1eab17daa9-1024-1024

Na sequência Catharina Baltar, uma ilustradora de mão cheia que deixou a mim, e vários passantes, boquiabertos com Cerulean, um quadrinho espetacular sobre uma sereia que encontra um celular e por conta disso se torna viciada em tecnologia, o que gera um plot twist bem criativo e acaba criando uma versão moderna de Ariel. Porém, apesar do enredo fantástico, o que mais chamou a atenção foi a colorização em aquarela, algo que completa perfeitamente o clima da história e tem seu passo a passo apresentado em deliciosos extras.

cerulean-catharina-baltar-capa

Por fim, finalizando nosso passeio, conhecemos Dani Bolinho, outro ilustrador, agora com foco maior no estilo oriental, e que devido a arte apresentada logo me toquei que se tratava de um quadrinistas, apesar de existir nem mesmo uma zine no estande. Isso pois ele publica online no site Luta Irreal, onde você encontra diversos one-shots de início de carreira, e no Tapastic, local de seus trabalhos mais atuais.

O destaque fica para Lobo Mau, uma história curta sem falas que pode facilmente se encaixar em diversas situações, me lembrando inclusive de momentos que passei no colégio, e Moço, uma tira que trata com humor de acontecimentos e problemas da vida de um transexual.

12321275_682223098548012_8089223772474756579_n

Todos estes, e mais alguns que infelizmente não pude conhecer no meio de tamanha muvuca, estavam presentes no evento Picnik graças a Incoerente Coletivo, um grupo de fanzineiros, quadrinistas e beberrões que possuem uma revista de coletâneas de mesmo nome e uma irmã menor, Metro, que conta historias focadas nos vagões que transportam brasilienses diariamente.

caf3e35eb8603795eaaf9b3f0a81fe2e

Então é isso, este foi o Banca Sem Parede no Picnik (Final de Ano), e espero que tenham curtido, conhecido um pouco mais de minha cidade e desses artistas incríveis. Até a próxima!

Anúncios

Sobre Zigfrid

Administrador e redator do blog Mangatom. Viciado em games, amante incondicional de quadrinhos e cinéfilo enrustido.

Publicado em 13/12/2016, em Uncategorized e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Olá Raphael. Quem fala é Lucas do Incoerente Coletivo. Primeiro, gostaria de dizer que seu texto é muito maneiro. Fico feliz em saber que tem gente boa dando força e exaltando a produção independente daqui. Só gostaria de fazer uma observação sobre uma afirmação. Quando você diz “Além disse foi graças a eles que diversos artistas da região puderam participar de eventos maiores, como a CCXP”, isso ficou um tanto quanto estranho. Na verdade, a galera que participou da CCXP foi por puro talento e capacidades. São pessoas que já estão na luta pelo quadrinho autoral a um tempo bom e, ao contrário, são muita inspiração para o nosso trabalho. Não foram por nossa causa ou algo do tipo. Posso ter compreendido errado, mas, se foi isso…peço humildemente para que corrija essa informação, por favor. No mais, muito obrigado pela força que vc dá ao zine independente. Que mais meios de comunicação falem tão bem de nós como vc!??

    Curtir

    • Desculpa o final. Não é uma pergunta é uma exclamação. Rs…

      Curtir

    • Corrigido Lucas.

      Eu não quis afirmar que eles não estavam lá pelo próprio mérito, mas que são eventos menores assim que contribuem para que eles sejam mais conhecidos e eventualmente cheguem numa CCXP, apesar da maior parte da galera lá já ser fera. Por conta disso preferi retirar por completo a citação, ao invés de corrigi-la.

      Quanto ao restante eu que agradeço pelo comentário e por vir se impor a algo que notou de errado. No fim isso ajuda a tornar o texto melhor. ^^

      Curtir

  1. Pingback: On the Nanquim: The Hype – O poder da música! | Mangatom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: