Indie-A-tom: Flame Over + Sorteio

Atenção: O texto presente aqui é um roteiro de gravação, então, apesar de ser perfeitamente possível ver minha opinião através deste, sugiro assistir ao vídeo pois ele possui leves alterações.

Se pensarmos em uma profissão digna de seus integrantes serem chamados de heróis essa certamente e a dos bombeiros. Homens e mulheres corajosos o suficiente para encararem construções em chamas em busca de salvar a vida de terceiros.

Ainda assim e muito difícil ver eles representados em outras mídias sem que sejam coadjuvantes, principalmente se tratando de videogames. Quantos títulos você conhece que tenha bombeiros, não apenas como personagens, mas no papel principal?

Não vou mentir, existem alguns, como os jogos da série Planes: Fire & Rescue, os quais se baseiam no filme de mesmo nome de 2014 e que mostram veículos de resgate. Além deste temos diversos outros jogos em que controlamos um ou mais membros de um time, porem em sua maioria títulos pouco lembrados ou Literais fracassos.

Eis então que em 2015 surge Flame Over, um game que pegou muitos de surpresa e foi dito erroneamente como uma experiência única em estilo árcade, chegando até mesmo a receber uma nomenclatura especial pela desenvolvedora, Squirt-em-up. Assim se dizendo uma espécie de shoot-em-up com mangueira.

Sim, de fato parece algo diferente, e ter jogadores saudando o título so mostra o quanto ele acertou na formula. Porem nem mesmo ser uma espécie de subgênero de tiro coloca este no patamar de inovador.

Assim como Cubixx HD, outro jogo da Laughing Jackal que resenhamos aqui no canal, Flame Over busca inspiração em títulos clássicos a muito esquecidos, como The Ignition Factor, uma das muitas produções da Jaleco para Super Nintendo.

Nesse jogo controlamos um de 4 bombeiros e temos como missão não apagar as chamas, algo que difere de Flame Over, mas sim resgatar civis. Uma obrigação de qualquer bombeiro. Mas o que tiramos aqui de similar são os equipamentos. Machados para se quebrar portas, extintores especiais para determinado tipo de fogo, entre outros.

Em Flame Over seu objetivo central é o de apagar o incêndio, mas para isso é necessário ficar alerta para aparelhos eletrônicos ou detritos tóxicos. Enquanto sua mangueira da conta da maioria das chamas é serve para limpar o chão dos resíduos, quando avistamos fumaça é necessário se utilizar do extintor de imediato, caso contrário o aparelho danificado continuará gerando faíscas.

Outra alternativa é a de ir direto para a sala da caixa de energia e desativa-la, assim removendo esses pontos de fumaça de todo o mapa. Algo que ocorre de forma similar no jogo de Playstation Rosco McQueen: Firefighter Extreme. Outro jogo de bombeiro das antigas, onde o maior empecilho e manejar o nível de água de seu equipamento, assim tendo de coletar pela fase itens que restauram o medidor.

Nesse ponto os jogadores de Flame Over também precisam ser expertos, pois não apenas a mangueira, como também o extintor, podem ficar sem carga. Assim é necessário sempre ficar de olho no mapa para pontos de recarga ou retornar a base para poder recuperar tudo em uma única maquina.

O problema desses desvios e que o jogo apresenta um cronometro, e caso o tempo chegue ao fim é game over. Algo presente no já mencionado Ignition Factor, mas melhor mostrado no fenomenal The Firemen, também do Super Nintendo.

Um jogo cult lançado apenas na Europa, e que teve uma continuação ainda menos conhecida no Japão, The Firemen 2: Pete & Danny, ambos pela Human Entertainment. Nele você controla um veterano acompanhado de um jovem bombeiro e ambos devem adentrar um prédio em chamas para evitar um acidente maior, no melhor estilo de filmes de desastre dos anos 80.

Enquanto luta contra as chamas você tem a opção de salvar pessoas, as quais lhe fornecem vida e tempo. E quando falo em lutar, e lutar mesmo. Aqui cada tipo de fogo apresenta ataques diferentes, como se fossem seres vivos, e até mesmo chefes estão presentes em algumas fases. Sem dúvida um dos meus games favoritos de todos os tempos.

Logo fico supercontente ao ver que Flame Over pega muitos dos elementos presentes nesse jogo. De forma similar a Fireman, aqui o resgate de pessoas concede bônus, não apenas pontuação, assim aumentando o tempo disponível. Já para vida e necessário resgatar gatos, as vezes fazendo o jogador ter de sacrificar um pelo outro.

Fora isso as chamas também possuem ataques, apesar de não tão óbvios, como jatos, bolas e ondas de fogo. Algo perceptível mais pelo som do que pela movimentação das labaredas em si, fazendo deste um game que exige bastante atenção.

Tirando essas semelhanças o game também retira muita coisa do gênero Rogue Lite. Os mapas são gerados aleatoriamente, existem alguns benefícios que se estendem a novos jogos e durante as missões e possível comprar ou obter itens.

Dentre estes o mais utilizado sem dúvida são as bombas d’água. Uma espécie de granada que age em área e tem efeito tanto de mangueira como extintor. Fora esses temos power-ups clássicos de árcade, como botas que aumentam velocidade, além de alguns bem específicos, como a máscara de gás.

Porem nem assim o jogo segura sua mão. Para se utilizar cada um dos itens e necessário trocá-los, podendo ter apenas um efeito ativo de cada vez, com exceção das bombas. Sem contar que o player precisa descobrir sozinho o que cada um deles faz, dificultando um pouco o processo e exigindo uma boa memorização.

Flame Over é um jogo frenético, mas de pensamento rápido. Por onde seguir, onde estão as pessoas, e quanto aos pontos de recarga? Cada um desses elementos estão presentes aqui tanto para ajudar como lhe atrapalhar, gerando uma urgência e por consequência adrenalina.

Num cenário como esse velocidade é tudo, logo os comandos tanto do teclado como do joystick precisam ser perfeitos. E enquanto isso é verdade para ambos, recomendo que utilizem um controle para jogar Flame Over apenas por conta da facilidade de se alcançar certos comandos e principalmente pela maneira com a qual lidamos com a câmera, muito mais fluida e dinâmica.

Dito isso, recomendo o game a preço de lançamento para quem busca algo rápido e frenético, goste de rogue lites ou tenha jogado algum dos títulos mencionados neste review. Flame over se encontra disponível para PC por 23,99, para PS4 por 36,90 e para PS Vita por apenas 20,99.

Para o restante, sem pressa que o fogo e virtual. Da para pegar com um desconto bom ou tentar concorrer a este no sorteio do canal. Curtiu? Então faz o seguinte. Deixa ai seu like e comente no vídeo o porquê você quer ter o game Flame Over na sua coleção.

Feito isso aguarde o próximo vídeo, onde iremos sortear uma key da Steam.

Anúncios

Sobre Zigfrid

Administrador e redator do blog Mangatom. Viciado em games, amante incondicional de quadrinhos e cinéfilo enrustido.

Publicado em 23/05/2017, em Indie-A-tom, Uncategorized e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: