Arquivo da categoria: Resenha

Resenha: Nigeru Otoku (O Homem que Foge)

nigeru-otoko

Existem certas obras que você lê, curte algum detalhe, detesta outro, e por mais que lhe agrade se chegar alguém para lhe perguntar “E então, o que achou?” você trava. Não sabe exatamente o que comentar a respeito. E foi assim que terminei minha leitura de Nigeru Otoku, O Homem que Foge. Sem conseguir me expressar.

Obvio que isso não se iguala a ficar estupefato com a obra a ponto de não ter palavras, ser tão ruim que não vale comentar ou tão curto que não existe algo para se dizer. E só que é um título difícil de se formular uma opinião e aflorar as ideias logo após o termino.

Nigeru_Otoko_c3_117.png

Nigeru Otoku conta a história de um homem que foge para uma floresta intocada. Parte da população não arrisca ir ao local por conta de diversos desaparecimentos, enquanto crianças são atraídas devido a um conto mais o menos assim. Apenas os mais novos podem enxergar um urso entre as arvores, e se você passar uma noite com o urso seu desejo será realizado. Porem de noite a fera se torna homem.

Com um enredo assim seria fácil criar um título de terror ou mistério. Porem por mais que o motivo do homem ter fugido seja o clímax da história, aqui o que temos é um leve drama, o qual eu diria que é bem pessoal. Não para o autor, mas para o homem que fugiu. O que acaba dando a história um pouco de romance ali, política aqui, um tico de slice of life, e nada disso no final.

Nigeru-Otoko_c4_143.png

Cada um desses elementos e cada um dos personagens, historias e situações, estão ali presentes para passar uma lição. Logo o mangá se auto intitular como uma fabula é perfeito, pois este é sem dúvida um título que nos deixa em reflexão. Não tem como ler as últimas páginas e não repensar sua vida adulta, talvez jovem. Infantil certamente não.

Logo, só posso dizer que… é, eu gostei. O enredo começa de um jeito estranho, mas logo as pontas se juntam e o ritmo acelera. Quando não está perto do clímax a leitura também vai rápido, por ter poucas falas. Sendo assim minhas ressalvas são de que o mangá parece curto demais, incompleto, mesmo tendo passado a lição. E a arte só piora esse sentimento por serem rascunhos mal finalizados. Nem parece a Natsume Ono desenhando.

Nigeru_Otoko_c1_005

Então sendo bem sincero aqui, eu recomendaria a obra apenas para quem procura exatamente o que eu descrevi. Uma fabula com uma lição que pode vir ou não lhe agradar, e que é focada mais na vida adulta. Se não busca isso, ignore que tem política, romance, mistério e slice of life. Sério, nada disso realmente importa, com exceção do drama.

Nigeru Otoku.jpg

Quanto a você quadrinista, ilustrador, designer, ou outro profissional do ramo que possa vir a estar lendo esse texto, fica a pergunta, gostou? Quer promover o seu produto ou serviço da mesma forma? Então entre em contato pelo e-mail blogmangatom@gmail.com para agendar o serviço.

 

 

Resenha: Dragon Head

Dragon Head

Esse é um daqueles títulos em que fico realmente sem saber se recomendo ou não, mesmo tendo gostado. Pois a conclusão e as reviravoltas contidas na obra são daquelas que vão cair no gosto de uns e serem odiadas eternamente por outros, fora alguns fatores que simplesmente devem afastar leitores independentemente do entusiasmo. Leia o resto deste post

Resenha: Koe no Katachi (A Voz do Silêncio)

Koe no Katachi

Atenção: Esse texto tem como base a obra completa de 2013, assim se referindo ao ocorrido em 7 volumes.

Quando eu termino de ler algo já busco juntar ideias e ir direto escrever, mesmo que saia algo ruim, apenas para registrar o pensamento e depois reescrever contendo aquilo que achei interessante inicialmente. Mas em raras ocasiões a obra me afeta de alguma forma que me impede de realizar tal ato, seja por me fazer sentir triste, eufórico ou pensativo. E no meio disso temos Koe no Katachi, que me deixou… chateado. (?) Leia o resto deste post

Resenha: Black Paradox

black-paradox

Quando um quadrinho vem descrito como uma série de histórias de temática similar você não duvida que seja uma coletânea, mesmo que os personagens se repitam, ainda mais quando Junji Ito é o nome por trás da obra. Nada impede também que apenas a estética seja similar ou que o principal morra e reviva em cada conto. Leia o resto deste post

Resenha: Hideout – O Ápice da Loucura

hideout
No segundo dia de nosso especial de Halloween damos de cara com o maior de todos os monstros. Inteligente, cruel, vingativo, audaz e o maior vilão de The Walking Dead. Zumbis? Quem disse isso? Falo do ser humano. Leia o resto deste post

Resenha: Ghost in the Shell

ghostintheshell

Leia o resto deste post

Resenha: Haikyuu!

haikyuu Leia o resto deste post

Resenha em Massa: Múltipla Escolha + The Hype

hype Leia o resto deste post

Resenha: Tokyo Ghoul

Tokyo Ghoul

Hoje vamos falar da modinha – Aqui “modinha” sendo empregada como obra extremamente popular – chamada Tokyo Ghoul. Um mangá shounen disfarçado de seinen e com diversas falhas, mas que ainda assim consegue surpreender. Leia o resto deste post

Poste Especial: Melhores de 2015!

melhores de 2015

Mais um ano que se vai, repleto de pontos altos e baixos. Não quero ser pessimista, mas isso é simplesmente a vida. O que nos faz sair da bad e seguir em frente e a maneira como encaramos os acontecimentos passados, seja guardando lembranças positivas dos momentos que tivemos com nossos familiares, desabafando no ombro de um amigo ou, se for do meu time, relembrar as obras que marcaram 2015.

Convido vocês caros leitores a curtirem um texto especial, marcando a chegada de 2016. Sim, o Melhores do Ano, um dos posts mais visitados da história do blog está de volta. Aqui eu e meus colegas nos reunimos, como bons amigos que somos, para indicar a vocês não apenas os melhores lançamentos mas também os títulos que marcaram o ano para nos.

Sem mais delongas, eis nossas escolhas para os melhores de 2015. Leia o resto deste post