Arquivos do Blog

Vitrine: Seedtown – Conheça o Diesel Punk BR

seedtown

Falar de projetos ainda não publicados é um tanto quanto difícil. Você precisa realmente ter bastante informação sobre o autor, a obra e as vezes até fazer um certo estudo para entender melhor a proposta. Tanto que por isso eu evito falar de notícias aqui no blog, pois acho meio tedioso ler um texto apenas com “autor x lança obra y no local z, feita com materiais A, B e C.”

E ainda assim aqui estou divulgando um projeto do Catarse, pois acredito ter um futuro em cima do pouco que me foi mostrado, e gostaria de dissertar em cima disso. O mangá em questão é Seedtown, de Felipe Fox, um mineiro ainda novato no ramo de HQs, mas que demonstra um talento incrível e tem um background para se apoiar, como podemos ver na afirmação “produção que envolve técnicas tradicionais de desenho, como arte-final com pena e nanquim, e construção de imagens utilizando modelagem 3D”. Leia o resto deste post

Anúncios

On The Nanquim: Hitomi

hitomi

Quando pegamos um HQ com traço ou temática oriental logo tachamos de mangá, o que não chega a ser errado, porem que atrapalha um pouco devido ao preconceito que muitos nutrem. De um lado nerds  que detestam mangás, do outro otakus que pensam o mesmo quanto aos quadrinhos, sendo que no fim ambos estão apenas generalizando e deixando de lado diversas histórias. Perdendo um pouco de cultura por ideais que não deveriam existir. Leia o resto deste post

On the Nanquim: The Hype – O poder da música!

hype

THE HYPE IS REAL!

Não existe frase mais apropriada para iniciar um texto sobre o último trabalho de Marcel Ibaldo e Max Andrade. Certamente uma brincadeira com o título, porem que não engana e apresenta de cara meu sentimento pela obra, se é que podemos chamar assim. Leia o resto deste post

On the Nanquim: Bem Melhor Agora

bemmelhor

Então, no finzinho do mês passado resenhei “3 Histórias Curtas”, uma quase nova coluna que pretendo manter com certa periodicidade se der, e dentre as HQs escolhidas estava Terezinha, do autor Isaac Tiago. Ele gostou bastante de fazer parte do post e perguntou se eu não gostaria de escrever sobre sua primeira obra, “Bem melhor agora”, e porque não?

Leia o resto deste post

Resenha em Massa: Múltipla Escolha + The Hype

hype Leia o resto deste post

Atom 5: Melhores Jogos da BRING #7

Neste vídeo apresentamos a vocês os 5 melhores indie games da BRING #7, um evento criado pela Behold (Knights of pen and Paper, Chroma Squad) e realizado dentro da Jam Nerd Festival.

Cobertura da Jam Nerd Festival / BRING – Parte 8 [FINAL]

jnf8

E é isso gente, após 8 posts “consecutivos” chegamos ao fim da cobertura da Jam Nerd Festival, mais precisamente da BRING. Eu realmente não achava que isso fosse se estender tanto, e acreditem teria material para continuar por um bom tempo.

Resolvi encerrar neste texto pois acredito que isso se prolongou muito e seria maçante para os leitores, fora que estamos a basicamente 1 mês focados inteiramente nesta matéria. E ai vem a pergunta, se a pressa era tão grande porque demorou a vir a oitava parte?

Como falei eu tinha muito material em mãos e tive de passar um pente fino, digamos, para selecionar que games apresentar no grand finale. E ai estão, os 3 últimos jogos desse evento incrível. Aproveitem.

Leia o resto deste post

Resenha: Aokigahara

aokigahara

Você já ouviu falar de Aokigahara? Espere, antes de responder – mentalmente, já que não te escuto – saiba que estou falando da Floresta do Suicídio, nome popular dado a uma região florestal localizada a noroeste do Monte Fuji. Devido a sua extensão, 34 quilômetros quadrados, e também conhecida como Jukai, ou Mar de Arvores. Uma imensidão de verde que permanece assim sem desbotar o ano todo.

Porque estou falando disso e não vou direto ao enredo? Pois a história não só se passa neste local como tem como grande influência um documentário onde se encontram presentes tais dados, mas cujo o foco e igualmente o suicídio.

Leia o resto deste post

Indie-a-Tom: Dreaming Sarah – Mergulhe no desconhecido

sarah
Quando falamos de Dreaming Sarah a primeira coisa a se dizer é que não busque informações.  Pera lá, isso também não quer dizer que se deva comprar o jogo às cegas, apenas que ele é melhor aproveitado sem entrar a fundo no enredo, ou suposições do que seria um.

Leia o resto deste post

Resenha: Father’s Gift + Concurso Silent Manga Audition

father Leia o resto deste post