Arquivos do Blog

On the Screen: Godzilla (1954) – A era do grande kaiju começa!

Recentemente resolvi rever Godzilla, o filme de 1954. O primeirão mesmo. Preto e branco raiz, produzido no Japão. Sei que muitos iam preferir ler sobre um filme mais moderno, como os Godzillas da Legendary, ou o Shin Godzilla do Hideaki Anno, diretor de nada mais que Evangelion. Até porque batem sempre na mesma tecla de “vejam o clássico” e “ele é sobre bombas nucleares”.

So que sim, vejam os clássicos, e sim, tem as paradas da bomba sendo referenciadas, e isso é foda. Não tem como fugir disso, até por estarmos falando de um filme da década de 50, cheio de efeitos práticos que ainda assim convence muito. Acredite, saber que é um homem numa roupa de borracha destruindo maquetes não muda o fato de que aquele é Godzilla.

A presença do monstro é assustadora, e isso para mim faz o filme. Pois enquanto o gigante se esconde as pessoas pesquisam e comentam a respeito dele, quase que como se fosse um deus antigo de Lovecraft. Não tem jump scare, gore ou truques baratos modernos. É um monstro clássico, e isso deveria bastar.

Pois é através dessa formula que ele consegue agradar, ao meu ver, quem busca terror, sci-fi ou um monstrão detonando tudo. Sejá você adulto ou criança, Godzilla é um prato cheio e merece sim o status que possui. Porém, por mais obvio que seja dizer isso, não é para todos e vale algumas ressalvas. Talvez até mais do que vangloriar de pé.

Eu acho que o filme envelheceu muito bem, não apenas nos efeitos. Mas existem momentos em que a época da película fica aparente, fora o fato de ser preto e branco. Acho que é uma barreira que muitos deveriam romper, mas ainda assim uma barreira. Porém o ponto negativo principal fica com o ritmo e atores.

É um filme lento e as cenas de destruição talvez durem mais do que devia. Novamente algo que cai no gosto pessoal, mas que vale a menção. Até porque quando eu era mais novo eu dormia tentando ver Godzilla.

Já quanto os atores, eu não diria que são todos ruins. Gosto muito da atuação de Takashi Shimura, por exemplo. Porem existem cenas em que que os personagens recebem cortes bruscos para mudar de um sentimento ao outro, como por exemplo indo de susto para choro. Não fica natural. E isso é extremamente evidente quando Momoko Kôchi está contracenando.

E isso pode ser erro dos atores de não conseguir fazer a sena sequencialmente correta, como pode muito bem ser uma falha do editor. Sei que é um cargo na produção muitas vezes ignorado, mas é um dos mais importantes na hora de definir se o filme tem um visual de amador ou não. Pois imagine se o Gozilla teleportase pelo cenário o quão ruim seria? Um bom editor evitaria essa sensação mesclando bem as cenas, e infelizmente isso não ocorre com certos atores.

Mas graças a deus nenhuma dessas coisas que menciono são uma constante. O filme é extremamente divertido e interessante. Se você é adulto vai notar a sutileza do plot sobre armamentos nucleares e guerra, enquanto uma criança se divertiria com o monstrão soltando fogo e pisando em prédios. Tanto que após um tempo os filmes seguiram por esse caminho de tentar levar as telas algo mais “infantilizado”. Na falta de outra palavra.

Se isso é bom ou ruim? Olha, depende do filme. Eu gosto muito do tom sério do primeiro, mas o segundo filme tem um plot tão sem graça que eu preferia que fosse algo esculachado. Cada filme tem seu estilo, uns mais zuera que os outros, e é por isso que pretendo continuar essa viagem pelo universo de Godzilla. E quem sabe ao terminar as eras eu não faço um resumo delas como pretendia no começo, não é?

Retro Bits: Vigilance (PC)

Nesse vídeo apresentamos o game Vigilance de PC, de 1998. Um jogo de tiro em terceira pessoa que se assemelha bastante a 007 GondenEye, mas que ao mesmo tempo apresenta elementos novos, como o fato de ter diversos operativos que podem de fato morrer.

Super BSBros: Alien VS Predator (Arcade) – Parte 4 [FINAL]

SuperBSBros de Alien VS Predator chega finalmente ao fim! Confiram os minutos finais do gameplay deste clássico dos árcades, assistindo Zigfrid (Raphael Gama) e Golden Silver (Francisco Ramos) dando aquela surra em soldados e aliens!

Retro Bits #02 – The Ninja Warriors (SNES)

Nesse vídeo apresentamos o game The Ninja Warriors do SNES, de 1984. Um beat ‘em up com ninjas, robôs, soldados e tudo mais que uma criança dos anos 80 desejaria. Destaque para os golpes diversos, principalmente agarrões.

Primeiras Impressões: Fish – O jogo de Kubanacan!

Vídeo de gameplay ininterrupto e com comentários do demo do jogo Fish. Um Fish Person Shooter estilo clássico com design parrudo e uma mecânica de gancho de dar inveja ao Bionic Commando.

On the Nanquim: A Morte do Superman

A Morte do Superman

Quando menores brigamos por tudo, mas quando nerds vamos mais além. É briga de Nintendo contra Sony, de fã de comic com fã de mangá, Marvel vs DC, e assim vai. Se algo se torna popular, essa é uma das tendências, por mais inútil que seja. Queremos mostrar que o que gostamos é o melhor que há. E foi no meio de uma discussão dessas que acabei resolvendo ler A Morte do Superman.

Leia o resto deste post

On the Nanquim: Samurai Jack

samuraijack

Em 2001 a Cartoon Network mostrou que seus originais não eram apenas focados em comedia e na garotada, com um título que poderia ser aproveitado por qualquer idade e que apresentava temas até certo ponto maduros para a audiência do canal. Leia o resto deste post

Resenha em Massa – Franquia Digimon

digimon

Finalmente! Após incontáveis meses Digimon Tri deu as caras, negando qualquer boato sobre seu cancelamento e surgindo num formato ainda não tocado pela mídia. Nisso convido vocês, caros leitores, a embarcarem numa jornada pelos incontáveis digimundos da franquia, culminando numa rápida análise da nova série. Leia o resto deste post

On the Nanquim: Pinóquio (Pinocchio)

pinocchio

Leia o resto deste post