Arquivos do Blog

On the Screen: Doukyuusei – Um belo romance

Eu resolvi ver Doukyuusei por conta de um gif. Um beijo daqueles bem-dados, só que com um tom muito sereno e animado de forma fantástica, tornando o momento muito belo. Esse beijo era entre 2 homens, os protagonistas Hikaru Kusakabe e Rihito Sajou. E eu me apaixonei naquele momento pela estética da animação e fiquei deslumbrado com a cena. Sou hétero.

Pode parecer estranho terminar a frase anterior assim, com “Sou hétero”. Mas existe um motivo. Com isso quero afirmar que Doukyuusei é uma obra que transcende a barreira da sexualidade. Você pode ir lá assistir sendo heterossexual, homossexual ou qualquer que seja a sua orientação sexual, que a obra vai ter o mesmo impacto.

Logico que existem outras obras das quais eu poderia falar o mesmo, não se engane. Eu não estou descobrindo esse tipo de romance somente agora. É mais que existem obras mais explícitas voltadas para o público LGBTQ, com cenas mais calientes e muito fanservice, da mesma forma que existe isso aos montes para o público hétero.

Porém é difícil achar algo tão puro, focado e bem-feito como Doukyuusei. Você poderia trocar os personagens por duas garotas, ou um homem e uma mulher, que daria na mesma. Isso faz parte do charme da obra e da facilidade de se consumir o produto. É tudo muito natural. Mas ao mesmo tempo a escolha no sexo dos protagonistas é certeira.

De um lado temos esse romance colegial, com todas as intrigas pelas quais muitos passamos nesse período. Desde ciúmes ao sentimento de que tudo vai acabar no terceiro ano, passando por vergonhas e desejos sexuais. Do outro temos um grande slice of life que mostra o amadurecimento de dois rapazes e a descoberta de algo novo e arrasador.

Novamente, tudo isso poderia ter sido passado por qualquer casal, mas a grande diferença fica com a mensagem de aceitação. Isso é tabu para a sociedade, infelizmente, ainda mais entre homens, e à medida que a obra evolui notamos cada vez mais essas nuances até chegar ao fim e mostrar que toda essa vergonha não deveria existir, que devemos ser quem somos, independente de opiniões, e isso é uma mensagem muito forte.

E não é uma mensagem somente para os gays, mas para nos aceitarmos e aceitarmos nossas decisões independente do que seja. Só que, ao ir por esse lado, o filme enfatiza um grupo que merece ser mais aceito. Por isso eu recomendo o filme para que vocês vejam que um romance entre gays é a mesma coisa que qualquer outro romance.

Eu já passei por essas coisas com garotas e foi muito fácil me identificar com os protagonistas, que, diga-se de passagem, são muito carismáticos. Não tem como ver esse filme e não torcer por eles e ficar encantado com um relacionamento tão belo. E completando tudo isso temos uma estética de cair o queixo e dubladores de primeira que trazem uma narração quase poética.

Os únicos pontos que me incomodam são a estrutura do filme e onde ele termina. Tudo ocorre com timeskips constantes e começa do nada e vai parecer a alguns que também chega ao nada. Existe a tal mensagem no final, pontuando muito bem, mas ainda fica aquela sensação de que faltou algo. Ou talvez seja só eu querendo acompanhar mais da vida desse lindo casal.

Dito tudo isso, recomendo fortemente que assistam o belo Doukyuusei. Façam um esforço, vai, confiem em mim nessa, pois a obra é de outro nível.

Resenha: Koe no Katachi (A Voz do Silêncio)

Koe no Katachi

Atenção: Esse texto tem como base a obra completa de 2013, assim se referindo ao ocorrido em 7 volumes.

Quando eu termino de ler algo já busco juntar ideias e ir direto escrever, mesmo que saia algo ruim, apenas para registrar o pensamento e depois reescrever contendo aquilo que achei interessante inicialmente. Mas em raras ocasiões a obra me afeta de alguma forma que me impede de realizar tal ato, seja por me fazer sentir triste, eufórico ou pensativo. E no meio disso temos Koe no Katachi, que me deixou… chateado. (?) Leia o resto deste post

Resenha: Haikyuu!

haikyuu Leia o resto deste post

Poste Especial: Melhores de 2015!

melhores de 2015

Mais um ano que se vai, repleto de pontos altos e baixos. Não quero ser pessimista, mas isso é simplesmente a vida. O que nos faz sair da bad e seguir em frente e a maneira como encaramos os acontecimentos passados, seja guardando lembranças positivas dos momentos que tivemos com nossos familiares, desabafando no ombro de um amigo ou, se for do meu time, relembrar as obras que marcaram 2015.

Convido vocês caros leitores a curtirem um texto especial, marcando a chegada de 2016. Sim, o Melhores do Ano, um dos posts mais visitados da história do blog está de volta. Aqui eu e meus colegas nos reunimos, como bons amigos que somos, para indicar a vocês não apenas os melhores lançamentos mas também os títulos que marcaram o ano para nos.

Sem mais delongas, eis nossas escolhas para os melhores de 2015. Leia o resto deste post

On the Screen: Hibike! Euphonium – Curtindo a vida com música.

hibiki
“Você gosta de música?” “Não”. Virou resposta padrão. Conheço bandas e sei algumas letras, mas não sou fanático. Basicamente, eu escuto mas não sei conversar sobre, pior ainda se entrar com detalhes técnicos. Não sei nem dizer o que seria uma partitura, ainda assim me fascino com obras como Beck e Whiplash. Existe algo magico nesses contos de superação.

Leia o resto deste post

Primeiras Impressões – We Can Never Go Home

wcngh(2) Leia o resto deste post

On the Nanquim: Eu Mato Gigantes (I Kill Giants)

I Kill Giants Leia o resto deste post

[Corrente de Reviews 2013] Resenha: Centaur Worries

centaur

Bem vindos a essa nova edição da Corrente de Reviews onde o Judeu Ateu do blog Mangas Undergrounds, justo ele que e sempre bonzinho com todo mundo, teve a cara de pau de me indicar um Moe! Ok, zuera, conheço bem o Judeu, o cara já tinha me indicado mais de uma vez o manga no Twitter (junto do Rubio, obvio), e assim que recebi o e-mail do Diogo falando o que deveria ser resenhado eu já tinha certeza de quem era a culpa.

Minha única alegria e que o Judeu esta tendo de resenhar sobre Genshiken, e se não falar algo bom sobre o manga e capaz dos caras do Anikenkai comerem o nariz dele frito na manteiga!

Ok, agora vamos ao post desse belo manga!

Leia o resto deste post

Primeiras Impressões: Shokugeki no Souma (Food Wars)

souma

Leia o resto deste post

O Mundo Experimental de Usamaru Furuya (Parte 2)

furuya2

Finalmente, aqui esta a parte 2 do post tão aguardado sobre as obras desse cara insanamente genial, que me fez curtir um manga Yaoi e me mostrou que historias com merda são realmente uma merda.

Se não entendeu, de uma passada na parte 1 do post, clicando aqui.

Bem, agora vamos ao que interessa. Nessa segunda parte estarei falando de 4 obras fantásticas. Nelas Furuya nos mostra seu sofrimento quando adolescente, faz uma reinterpretação de um filme famoso, mostra como seria um terremoto em grande escala e termina se auto afirmando como gênio, com o que e considerados por muitos sua obra prima.

Infelizmente, retirei o manga Short Cuts da lista de leitura por se tratar de um 4koma sobre Ko-Gal, um tipo de moda entre garotas adolescentes do Japão. Como não sei nada a respeito do tema, acredito que fiz a melhor escolha.

Agora, fiquem com o post ^^

Leia o resto deste post