Arquivos do Blog

Primeiras Impressões: Gosu

gosu

Atenção: Texto com base nos capítulos de 01 a 29. (Lançamento americano) Nada após isso foi levado em conta para a criação da resenha e assim que o Manhwa acabar, se necessário, faremos um review completo.

Com esse nome já deve estar vindo as piadas… “Esse mangá deve ser tão gozado!”. E na real, realmente é. A primeira impressão que temos e de se tratar de um épico de kung fu, mas que na verdade se encaixa bem melhor como uma comedia cheia de momentos inusitados.

Untitled-2.jpg

Gosu conta em seu prologo como um jovem adquiriu todas as técnicas do mestre do Clã Pacheon, o maior e mais poderoso de toda região, assim ele próprio ganhando o status de mestre e partindo para realizar um desejo de vingança contra 4 traidores… que no fim já estão mortos.

Espera, então tem sobrenatural no meio? Pior que tem. Mas quando falo deles caídos e justamente a piada inicial que dita todo um ritmo de comedia que está por vir. Se existe um inimigo ou acontecimento foda, no fim e um entregador de bolinhos que resolve tudo.

pimg091.jpg

Olhe esse rosto? Você espera dele um mestre do Kung Fu? Não, logico que não. Mas Gang Yong é possivelmente o ser mais forte do planeta. Não em algo escrachado como Neko Majin Z, mas sim num enredo bem polido, que vai se expandindo aos poucos e criando um universo tanto de personagens como contos fantásticos, e logico, com muitas, mas muitas piadas de timing perfeito.

E lá pela metade desses quase 30 capítulos lidos uma surpresa agradável para quem realmente queria ver Kung Fu de qualidade. Nesse ponto somos introduzidos a So Hong, um espadachim assassino que aparenta ser do mesmo nível de Gang Yong, assim se tornando o rival do principal e iniciando uma conspiração a qual envolve diversos clãs. O que por vez atiça a curiosidade de Gang sobre outros guerreiros formidáveis e faz com que ele volte a cogitar recriar o clã Pacheon.

3

Se não bastasse essa evolução no enredo, tudo indica que Yuru, uma cozinheira que pode ver espíritos, e Ubok, um vendedor e assassino aposentado que atendia por “ceifador”, vão meio que entrar para o grupo de Gang eventualmente. E talvez o mesmo ocorra com certos personagens que apareceram anteriormente.

Logo tudo indica que a comedia veio para ficar, mas que você ter entendido que se trata de um épico de kung fu não estava tão longe da verdade. O futuro de Gosu é brilhante, gozado, porque não, e fenomenal. Aquele típico webtoon que dá vontade de ler uma página atrás da outra.

Untitled-4

E se curtiu mesmo, aqui vai uma canja. Esse e vários outros HQs estão disponíveis de graça no site Webtoon (Oficial), o qual possui aplicativo para se ler em aparelhos moveis e muito mais. Certamente um deleite para os fãs da literatura oriental. (Em inglês)

WEB-TOON

Quanto a você quadrinista, ilustrador, designer, ou outro profissional do ramo que possa vir a estar lendo esse texto, fica a pergunta, gostou? Quer promover o seu produto ou serviço da mesma forma? Então entre em contato pelo e-mail blogmangatom@gmail.com para agendar o serviço.

Anúncios

Indie-A-tom: Linelight – O bom e velho minimalismo

Atenção: O texto presente aqui é um roteiro de gravação, então, apesar de ser perfeitamente possível ver minha opinião através deste, sugiro assistir ao vídeo pois ele possui leves alterações.

Quando se fala em jogos minimalistas muitos tem em mente algo de aparência simples, sem realmente pensar no trabalho que dá criar o visual, é ainda assim insistem que aquilo aparenta ser algo fácil, ou no mínimo que difere do mainstream. Resumindo, encaram como um projeto de esforço mínimo. Leia o resto deste post