Arquivos do Blog

On the Screen: Godzilla Raids Again (1955) – Sequencia desnecessária?

Seguindo com a maratona de Godzilla, chegamos ao segundo filme da era Showa. Godzilla: Raids Again. Um longa que sai apenas um ano após o original, em 55, e que tenta ser a sequência direta do clássico.

E coloco ênfase nesse “tenta”. O filme é literalmente uma sequência, porem elimina diversos fatores que fizeram do primeiro um sucesso. O cast inteiro foi trocado, com exceção de breves aparições de Takashi Shimura. A direção passou do incomparável Ishirō Honda para Motoyoshi Oda. E o que muitos consideram a pior parte. O roteiro remove quase que 100% as menções a armamentos nucleares, guerra e preservação de espécies, deixando apenas o mínimo possível para ser considerado uma sequência.

E agora você deve estar se perguntando, afinal, sobre o que é esse filme? E eu posso dar duas respostas a isso. A primeira é que se trata de uma tentativa de lucrar em cima do grande kaijuu, iniciando assim a leva de filmes “Godzilla Versus” com a primeira aparição do monstro Anguirus.

O embate entre os monstros é mostrado de forma muito estranha, colocando eles como antigos rivais. Tudo é realizado de dia, eliminando assim o terror presente no primeiro. Mas o ponto que mais me irrita, aqui entrando em spoilers do filme de 54, é que o antigo Godzilla morreu e aqui existe outro Godzilla, filho do primeiro, e acabou ai a explicação. E tudo isso dá uma sensação tremenda de filme meia boca construído as presas pra gerar grana.

As únicas coisas que se mantem do primeiro é que se trata de um filme mais sério, com grande foco nos personagens. E eu gostaria muito que isso tivesse sido removido. Pois o plot inteiro, ao menos na minha opinião, parece ser algo que deveria ter recebido um tom mais cômico com foco nos monstros, tal qual muitos filmes que veriam a seguir na série.

Digo isso pois se tirarmos que existe o monstro, o filme inteiro é sobre a vida do personagem Koji Kobayashi, interpretado por Minoru Chiaki. E eu não sei quanto a vocês, mas eu fui ver Godzilla e não esse cara. Se o enredo ainda fizesse sentido colocando o monstro no centro eu relevaria, mas se trata de uma série de cenas inúteis que tentam inutilmente construir o personagem para o grande clímax do filme. E mais uma vez o longa falha miseravelmente.

Nada tem impacto em Rides Again. É um filme tremendamente chato, sem proposito para o espectador e que apesar de ter somente 82 minutos eu tive de assistir no período de 3 dias, tamanha minha insatisfação com o filme, mais o fato de que é chato pra caralho, e repito mais umas mil vezes se precisar. É muito, muito CHATO!

Um longa tão ruim que eu quase desisti de fazer essa maratona com o segundo filme e eu imagino que seja a maior barreira existente na hora de ir atrás da franquia Godzilla. Pois todo mundo nessa altura do campeonato sabe que os filmes mudam após o primeiro, e assistir isso logo na sequencia causa a impressão de que todo o resto vai ser uma tremenda merda.

Na minha opinião é um filme desnecessário que não so pode, mas deve ser pulado. A não ser que você já seja um fã hardcore do lagarto e queira marcar os checkbox da sua listinha para dizer que viu absolutamente tudo de Godzilla.

O único detalhe que passa para o filme seguinte, King Kong vs Godzilla, é a questão do iceberg que remete ao final de Raids Again. E mesmo isso pode ser ignorado, so servindo como um misero detalhe que tenta ligar os filmes.

Mas enfim, o pior acabou, ou assim espero. No próximo texto dessa maratona vou encarar o “clássico inusitado” King Kong vs Godzilla. Que já adianto, é melhor do que eu esperava. E que comparado a Raids é uma obra de arte.

Primeiras Impressões: The Paladin’s Tale

Tem dias que nos sentimos derrotados. Seja porque algo de ruim aconteceu, ou por termos nos frustrados, ficado agoniados, ou no meu caso, ao menos hoje, por estar cansado. Ter de repor horas num emprego que já me toma um tempo excessivo. Uma mudança de rotina brusca, mesmo que previsível. Afinal só ocorreu por eu não ter cumprido com minhas obrigações.

Nessas horas o melhor remédio e buscar diversão rápida. Algo que já lhe deixa com um sorriso instantâneo no rosto. E isso para mim sempre foi ir atrás de uma séria longínqua que acompanho a um bom tempo e que sei que vai me divertir ou então buscar dar aquela risada. Algo raro, que hoje em dia acho que só Gintama me tira, mas enfim. Ainda existe uma terceira opção, meio arriscada, que é buscar algo novo dentro das atividades que eu gosto, sendo a mais certeira aboa e velha leitura.

Nisso, lembrando de um pedido que me veio pelo Facebook eu abri o leitor online Tapas e lá fui eu ler o teaser de The Paladin’s Tale. Um mangá medieval com atualmente 12 páginas, que me foi descrito por seu autor, Raphael Carvalho, como algo épico que surgiu em meio a uma mesa de Tormenta, logo após eu comentar que a arte da ilustradora Karolyne Rocha me lembrava muito aquilo que se via nas páginas da antiga Dragão Brasil. Que, diga-se de passagem, voltou nesses últimos tempos.

E a primeira coisa que se nota nesse capítulo 0, ou teaser como se chama na gringa, é a fenomenal capa com dois combatentes. Logo ali o hype já é setado. O velho, forte, corajoso e persistente leão contra a víbora peçonhenta, sagaz, determinada, mortal. Adjetivos que cabem como uma luva aos dois cavaleiros e os descrevem perfeitamente, como logo se vê nas páginas seguintes.

E aqui vale uma pausa, para colocar em contexto o que direi em seguida. Eu li o teaser duas vezes, primeiramente no celular via app, por ser onde a maioria dos usuários acessam o Tapas, e então depois acessei o site por meio do navegador. Parece irrelevante mencionar isso, mas a minha experiência inicial tem muito a ver com a tela do celular.

Não sei exatamente qual a resolução do meu aparelho, mas é claro que The Paladin’s Tale não foi feito pensando num aplicativo de leitura em celulares, como seria o caso de Tower of God por exemplo. E isso fez com que eu tivesse uma experiência negativa a princípio achando a luta confusa em quadros menores e por ter tido de ampliar a página para ler balões, assim estourando a imagem e perdendo parte da imersão.

Ainda assim o restante da leitura foi super agradável, e a segunda vez foi ainda melhor (ui) visto que eu pude ler num local mais propício. No caso o já mencionado navegador. Não que o mangá tenha sido pensado 100% para o digital em monitor, não. Eu diria que é bem claro que a ideia aqui e posteriormente tentar uma publicação física. E pessoalmente, acharia isto algo fantástico.

Falo assim pois o mangá de fato me conquistou. O que se dá realmente nas páginas seguintes e uma luta épica, que sozinha já faria muito marmanjo ficar apaixonado pela construção de ritmo, movimento e suspense criados pelo traço e enquadramento de Karolyne. Mas Paladin’s não estaria completo sem a narração primorosa de Raphael, que entrega algo tão afiado quanto a espada de Ingroh.

O texto de The Paladin’s Tale é tão épico quanto seu conceito. Poético até, eu diria. E sem medo de usar de termos menos coloquiais, assim presando por algo mais voltado ao medieval. Quase literário. E que cai como uma luva numa situação de batalha. Sem descrever d+. Apenas ilustrando pensamentos e dando o contexto necessário para tal introdução.

No final da leitura eu me senti empolgado e com aquele gostinho de quero mais. Me lembra RPG, Tormenta, Berserk, e tantas outras coisas que gosto tanto. Mas o que realmente me prendeu foi essa correlação com o meu dia. O sentimento de derrota, e cansaço, que superei para escrever essa resenha.

Eu vejo assim Ingroh, o personagem principal. Um cara que se vê derrotado, pelas circunstâncias de seu mundo, e cansado devido as incontáveis batalhas. Mas que ainda assim não desistiu e busca seguir em frente mesmo que contra todas as probabilidades. Um espirito de herói nato. Ou ao menos espero que se de dessa forma a construção do personagem.

Quanto ao futuro da série, eu espero que se mantenha o visto nesse começo. Ação e narrativa. Mas também espero mais diálogos, enredo, desenvolvimento de personagem e lore. Quero ver um mundo que atraia leitores, personagens carismáticos e aquele enredo de guerra ou fantasia bem fodas mesmo, sem deixar cair para o lado infantil. E nisso novamente me vem aquela lembrança de Berserk. Afinal, quem não desejaria um Guts BR?

Eu acho que tanto o Raphael Carvalho e a Karolyne Rocha estão de pé para esse trabalho, e eu so espero coisas boas vindo dessa dupla que tanto me surpreendeu. Que venha logo 2019, e com ele o real capitulo 1 da série e o começo dessa incrível jornada.

Você pode ler o teaser nesse link, bastando se registrar no Tapas e clicar em Show Me para ver a obra na integra. A mensagem que aparece no caso é referente a ter conteúdo maduro, focado em adultos. Porem esse começo não tem nada de pesado, e acredito que qualquer um consiga ler sem problemas. Ah, e caso você prefira ler em inglês, no mesmo link tem a versão americana traduzida por João Mazzei.

Super BSBros: Alien VS Predator (Arcade) – Parte 4 [FINAL]

SuperBSBros de Alien VS Predator chega finalmente ao fim! Confiram os minutos finais do gameplay deste clássico dos árcades, assistindo Zigfrid (Raphael Gama) e Golden Silver (Francisco Ramos) dando aquela surra em soldados e aliens!

Retro Bits #02 – The Ninja Warriors (SNES)

Nesse vídeo apresentamos o game The Ninja Warriors do SNES, de 1984. Um beat ‘em up com ninjas, robôs, soldados e tudo mais que uma criança dos anos 80 desejaria. Destaque para os golpes diversos, principalmente agarrões.

Resenha: Gamma – E o porquê fanservice nem sempre é a escolha certa

gamma

Esse review foi solicitado por shoucobo, um dos membros do nosso grupo no Discord. Segue a gente lá também! LINK: https://discord.gg/pr2Uhu

No início Gamma me deixou com uma pulga atrás da orelha. Eu não sabia se lia, se não lia. Pois veja bem, por mais que seja indicação de alguém, e por mais que eu deva respeitar tal indicação por ter solicitado ela, o mangá tem um traço que não me agrada muito, além de gêneros que eu não tenho o costume de ler, e existe fanservice na obra, algo pelo qual eu tomei um certo desgosto com o passar dos anos. Fora ter poucos volumes e cara de cancelamento. Leia o resto deste post

Primeiras Impressões: Gosu

gosu

Atenção: Texto com base nos capítulos de 01 a 29. (Lançamento americano) Nada após isso foi levado em conta para a criação da resenha e assim que o Manhwa acabar, se necessário, faremos um review completo.

Com esse nome já deve estar vindo as piadas… “Esse mangá deve ser tão gozado!”. E na real, realmente é. A primeira impressão que temos e de se tratar de um épico de kung fu, mas que na verdade se encaixa bem melhor como uma comedia cheia de momentos inusitados.

Untitled-2.jpg

Gosu conta em seu prologo como um jovem adquiriu todas as técnicas do mestre do Clã Pacheon, o maior e mais poderoso de toda região, assim ele próprio ganhando o status de mestre e partindo para realizar um desejo de vingança contra 4 traidores… que no fim já estão mortos.

Espera, então tem sobrenatural no meio? Pior que tem. Mas quando falo deles caídos e justamente a piada inicial que dita todo um ritmo de comedia que está por vir. Se existe um inimigo ou acontecimento foda, no fim e um entregador de bolinhos que resolve tudo.

pimg091.jpg

Olhe esse rosto? Você espera dele um mestre do Kung Fu? Não, logico que não. Mas Gang Yong é possivelmente o ser mais forte do planeta. Não em algo escrachado como Neko Majin Z, mas sim num enredo bem polido, que vai se expandindo aos poucos e criando um universo tanto de personagens como contos fantásticos, e logico, com muitas, mas muitas piadas de timing perfeito.

E lá pela metade desses quase 30 capítulos lidos uma surpresa agradável para quem realmente queria ver Kung Fu de qualidade. Nesse ponto somos introduzidos a So Hong, um espadachim assassino que aparenta ser do mesmo nível de Gang Yong, assim se tornando o rival do principal e iniciando uma conspiração a qual envolve diversos clãs. O que por vez atiça a curiosidade de Gang sobre outros guerreiros formidáveis e faz com que ele volte a cogitar recriar o clã Pacheon.

3

Se não bastasse essa evolução no enredo, tudo indica que Yuru, uma cozinheira que pode ver espíritos, e Ubok, um vendedor e assassino aposentado que atendia por “ceifador”, vão meio que entrar para o grupo de Gang eventualmente. E talvez o mesmo ocorra com certos personagens que apareceram anteriormente.

Logo tudo indica que a comedia veio para ficar, mas que você ter entendido que se trata de um épico de kung fu não estava tão longe da verdade. O futuro de Gosu é brilhante, gozado, porque não, e fenomenal. Aquele típico webtoon que dá vontade de ler uma página atrás da outra.

Untitled-4

E se curtiu mesmo, aqui vai uma canja. Esse e vários outros HQs estão disponíveis de graça no site Webtoon (Oficial), o qual possui aplicativo para se ler em aparelhos moveis e muito mais. Certamente um deleite para os fãs da literatura oriental. (Em inglês)

WEB-TOON

Quanto a você quadrinista, ilustrador, designer, ou outro profissional do ramo que possa vir a estar lendo esse texto, fica a pergunta, gostou? Quer promover o seu produto ou serviço da mesma forma? Então entre em contato pelo e-mail blogmangatom@gmail.com para agendar o serviço.

Picnik e Quadrinhos

picnik

Quem olha esse título no mínimo fica curioso, ainda mais se não for de Brasília é entorno, e logo começa a imaginar coisas como uma toalha estirada na grama, uma cesta de guloseimas e uma pilha de HQs para passar o dia na natureza sem deixar de lado o hobby.

Algo que sem dúvida é atrativo, e que um dia tenho de me pôr a experimentar, mas passa longe do real tema deste texto. Existe sim um amplo local aberto, e se quiser pode levar comida e se aconchegar na grama, apesar de ser preferível conhecer os diversos food trucks do evento e com certeza você não terá paz e sossego para ler ao som da música que contagia o festival. Leia o resto deste post

Indie-A-tom: One Finger Death Punch

ofdp Leia o resto deste post

Indie-A-tom #04 – Guacamelee

guacamelee

Mais um indie-a-tom chegando, bem atrasado por sinal. Realmente peço desculpas. Vou até postar um aviso no blog logo acima desse post pois o negócio ta complicado.

Agora deixando isso de lado espero que curtam o texto e até a próxima!

Leia o resto deste post